Notícias

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 2T18

BR Properties comercializa 65 mil m² de ABL nos últimos quatro meses, maior volume de locação de escritórios comerciais, para o período, na história da Companhia

São Paulo, 7 de agosto de 2018 - A BR Properties S.A. (Bovespa: BRPR3), uma das maiores companhias de investimento em imóveis comerciais do Brasil, anuncia hoje seus resultados referentes ao 2T18. Atualmente, a BR Properties possui 46 imóveis comerciais que totalizam 711 mil m² de área bruta locável (ABL), dos quais 5 são terrenos que correspondem a 74 mil m² de ABL potencial. A Companhia também faz a administração de propriedades de seu portfólio através da subsidiária BRPR A.

DESTAQUES DO 2T18

  • A BR Properties registrou no segundo trimestre de 2018 receita líquida de R$104,6 milhões, permanecendo estável em relação ao mesmo período do ano anterior.
  • A Companhia apresentou EBITDA ajustado de R$79,4 milhões no trimestre, resultando em uma margem de 76%, uma das mais altas do setor. A ligeira redução de 4% no EBITDA em relação ao 2T17 é explicada pelo aumento na despesa de vacância resultante das aquisições realizadas ao longo dos últimos 12 meses.
  • O resultado financeiro (despesa) ajustado no 2T18 foi de R$71,9 milhões, representando um aumento de 10% em relação ao 2T17. Esse resultado é explicado pelo aumento substancial nos índices de inflação (IGP-M e IPCA) nos meses de maio e junho, refletindo o impacto temporário das paralisações no setor de transportes de cargas que afetou o abastecimento no país no final de maio.
  • Em decorrência dos efeitos não caixa na contabilização da variação cambial sobre o Bônus Perpétuo denominado em dólares, a BR Properties registrou um prejuízo líquido de R$61,7 milhões no 2T18.
  • Desconsiderando os efeitos não caixa e não recorrentes do trimestre, a Companhia apresentou um Lucro Líquido Ajustado (FFO) de R$5,7 milhões, com margem de 5%, impactado pelo efeito pontual da inflação mencionado acima.
  • A BR Properties fechou o trimestre com uma dívida líquida de R$2.434,3 milhões e uma posição de caixa de R$968,2 milhões.
  • O custo médio efetivo da dívida no trimestre (anualizado) foi de 12,4%, fortemente impactado pelo aumento dos índices de inflação, como mencionado anteriormente. Desconsiderando os efeitos extraordinários nos índices de inflação nos meses de maio e junho, o custo médio efetivo da dívida deve permanecer entre 9,0% e 10,0%.
  • Ao longo do trimestre, a Companhia repactuou R$516,2 milhões de dívidas atreladas à TR, reduzindo o custo médio ponderado de TR + 11,38% a.a. para TR + 9,69% a.a (economia de 169 bps), e aumentando o seu duration em 0,7 anos.
  • O portfólio da BR Properties fechou o trimestre com taxas de vacância financeira e física consolidadas de 23,3% e 31,3%, respectivamente.
  • A BR Properties celebrou Compromisso de Compra e Venda (CCV) visando à aquisição de um terreno com destinação logística, localizado no município de Cajamar, com área bruta de 492.176 m², e potencial construtivo de, aproximadamente, 133.500 m² de área locável, pelo preço total de R$ 64,0 milhões.
  • A Companhia concluiu no trimestre a venda do Edifício Celebration pelo valor líquido total de R$57,0 milhões, valor superior ao de avaliação do imóvel.

EVENTOS SUBSEQUENTES

  • A BR Properties celebrou um contrato de locação junto à Caixa Econômica Federal, envolvendo uma área de 36.014 m² de ABL do Edifício Passeio Corporate, pelo prazo de 180 meses (15anos). Com esta locação, o Edifício Passeio Corporate encontrar-se-á 66,3% ocupado.
  • Nos primeiros dias de agosto, e conforme comunicado divulgado no início do ano, a Companhia recebeu da Petrobrás a devolução de uma área locável equivalente a 21.938 m² na Torre Leste do Edifício Ventura. O valor da multa, referente à saída antecipada da Petrobrás, foi equivalente aos valores de aluguel que seriam recebidos contratualmente até o final de 2018.
  • Ainda, após o encerramento do trimestre, a Companhia celebrou outros dois novos contratos de locação envolvendo uma área locável de 13,6 mil m² no Complexo Ventura, dos quais 5,2 mil m² correspondem a uma renovação contratual. Referidas locações representam aproximadamente 40% da área devolvida pela Petrobrás no início do agosto.
  • As novas locações contratadas nesse período geram um EBITDA anual de aproximadamente R$57,0 milhões. Além disso, a forte variação dos índices de inflação no 2T18, resultará em um reajuste mais acentuado nos contratos de aluguel da Companhia.
  • Em razão das movimentações que ocorreram após o encerramento do trimestre, as taxas de vacância financeira e física consolidadas do portfólio reduziram para 21,6% e 27,7%, respectivamente.

Para acessar o Relatório de Resultados do 2T18, clique aqui.